Braga, Capital de Cultura

1) Preparação da candidatura a Capital Europeia da Cultura 2027, a submeter até 2021: criação da equipa de coordenação, definição das linhas estratégicas, levantamento das necessidades de infraestruturas e submissão do dossiê de candidatura;

2) Atribuição ao Theatro Circo de responsabilidades alargadas na gestão dos equipamentos culturais municipais, nomeadamente, GNRation, São Geraldo e outras novas valências que possam ser criadas;

3) Requalificação do antigo Cinema São Geraldo devolvendo-o à cidade e criando um Media Arts Centre, assente num modelo de gestão integrado na remodelada empresa municipal de Cultura;

4) Implementação do Programa de Ação da Braga – Cidade Criativa da Unesco em Media Arts, independentemente de vir ou não a ser atribuído o título pela UNESCO em Novembro de 2017;

5) Submissão da candidatura de Braga a Capital da Cultura do Eixo Atlântico em 2020, um certame que permitirá o desenvolvimento de iniciativas de intercâmbio cultural em conjunto com os municípios do Norte de Portugal e da Galiza;

6) Projeto de reabilitação da Casa dos Crivos e Museu da Imagem, dois espaços culturais municipais a necessitar de intervenção urgente, de forma a torná-los mais aptos à missão que desempenham;

7) Compromisso com a contínua afirmação dos principais eventos culturais do Concelho (São João, Braga Romana, Braga Barroca, Noite Branca, Feira do Livro, Mimarte, …), consolidação das iniciativas criadas no mandato anterior e organização/apoio a novos projetos artísticos (nas áreas do jazz, dança, fado, blues, teatro, …);

8) Elaborar projeto de criação do Museu da História de Braga, privilegiando a dimensão digital e interativa do mesmo;

9) Continuação da descentralização cultural, valorizando e potenciando os diversos equipamentos culturais dispersos pelas freguesias;

10) Realização de um programa de arte urbana direcionado para as freguesias de baixa densidade do Concelho;

11) Novas instalações para o Arquivo Municipal de Braga: é necessário um espaço alargado para o Arquivo Intermédio que já excede os espaços disponíveis, equipamento informático adequado e mais funcionários com qualificações.

12) Análise sobre o futuro da antiga Saboaria e Perfumaria Confiança, tomando uma decisão definitiva sobre as suas oportunidades de reabilitação ou a sua alienação com vista ao financiamento de outras iniciativas culturais e patrimoniais (mas sempre com a salvaguarda dos valores arquitetónicos e a criação de núcleo museológico da fábrica original);

13) Apoio à dinamização da arte contemporânea, em ligação à Galeria Mário Sequeira, à Fundação de Serralves e a outros espaços e coleções nacionais e internacionais;

14) Dar continuidade ao trabalho conjunto com o Cabido, a Entidade de Turismo e a Misericórdia, na Candidatura da Semana Santa a Património da Humanidade da UNESCO.

15) Juntamente com o Estado, encontrar uma solução para o Recolhimento das Convertidas que possa regenerar a missão deste emblemático edifício barroco da cidade, enquanto valência cultural de fruição pública;

16) Discussão pública do projeto de execução do EcoParque das Sete Fontes e negociação fundiária com os particulares com vista ao início da sua implementação/construção;

17) Conferir dimensão internacional ao Festival de Órgão de Tubos;

18) Classificação das “Lojas com História” do município de Braga;

19) Celebração do III Centenário do nascimento de André Soares (1720-2020) e os 250 anos da sua morte (1769-2019). Esta efeméride, que exige uma congregação de esforços entre as principais instituições culturais Bracarenses, será assinalada com a relevância que esta figura exige no âmbito do património do período barroco de Braga.

20) Desenvolvimento do Plano Integrado de Intervenção nos Moinhos de Portuguediz em Lageosa, freguesia de Sobreposta;

21) Criação do Consórcio de Bracara Augusta para o estudo e valorização do património existente;

22) Valorização do Parque Arqueológico de Braga, com a concretização da Musealização da Insula das Carvalheiras e realização dos estudos necessários para no futuro proceder à Musealização do Teatro Romano e da Estação Arqueológica de Santa Marta das Cortiças;

23) Criação de um projeto pedagógico para o 1.º ciclo de valorização do património e história do Concelho, com a edição de um livro que reflita a importância do território e da nossa história, aproveitando a continuação do “À Descoberta de Braga”;

24) Desenvolvimento de um projeto de valorização e apoio à formação para o Folclore e a música tradicional;

25) Apoio à criação de núcleos museológicos e instalação condigna dos grupos folclóricos do Concelho;

26) Dar continuidade às iniciativas de promoção de Braga Capital do Cavaquinho, incentivando a criação de grupos de cavaquinho em cada uma das Freguesias do Concelho, e renovando a aposta na certificação da Viola Braguesa e do Cavaquinho.

Juntos Por Braga

Já pode descarregar a nossa app para as versões Android e iOS.

Android iOS